NO AR

Toca Tudo

Com: Xereta
Horário: 01:15 - 15:30
TOP MÚSICA
  • 1
    MARILIA MENDONÇA

    MARILIA MENDONÇA

    DE QUEM É A CULPA
  • 2
    ROBERTO CARLOS E JENNIFER LOPEZ

    ROBERTO CARLOS E JENNIFER LOPEZ

    CHEGASTE
  • 3
    EDUARDO COSTA

    EDUARDO COSTA

    FORRÓ E PAIXÃO
  • 4
    MAIARA E MARAISA

    MAIARA E MARAISA

    SORTE QUE CÊ BEIJA BEM
  • 5
    ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO

    ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO

    DESTINO
PEÇA SUA MÚSICA
Nome:

Email:

Cidade / UF:

Pedido:

Por medida de segurança, digite os 5 dígitos
do código exibido abaixo

b8s9b
Tempo

 

Notícias »

17 de Outubro de 2013
Obama assina lei que aprova acordo sobre dívida e EUA escapam de calote
Câmara dos EUA aprovou acordo sobre dívida. Com aprovação, serviços federais também serão reabertos.
Clique para ampliar

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou, na madrugada desta quinta-feira (17), a promulgação do acordo aprovado pela Câmara que permite a reabertura dos serviços públicos federais e a elevação do teto da dívida do país, evitando um calote nas contas públicas.

Obama adiantou que assinaria o acordo rapidamente. "Assim que chegar à minha mesa, vou assiná-lo imediatamente", antecipou, em pronunciamento na Casa Branca.

O presidente dos EUA, no entanto, não falou sobre o assunto após assinar o acordo. "Vou ter mais a dizer sobre isso amanhã (hoje)".

O prazo para aprovar o aumento do teto da dívida acabaria à 0h (1h de Brasília) desta quinta. Os EUA escaparam, por pouco, de um calote histórico. A menos de duas horas do fim do prazo, a Câmara aprovou, na noite desta quarta (16), o acordo que permitirá a reabertura dos serviços públicos federais – suspensos desde 1º de outubro – e a elevação do teto da dívida do país, garantindo que os EUA tenham recursos para honrar suas contas.

O texto foi aprovado por 285 votos a favor e 144 contra.

"O acordo vai reabrir nosso governo. Quero agradecer aos líderes por chegar a esse ponto", disse o presidente, após a votação. Obama apontou, no entanto, que espera que da próxima vez um acordo não seja aprovado "na 11ª hora". "Temos que sair do hábito de governar por crises", disse.

Já o presidente da Câmara, John Boehner, um dos principais opositores ao governo Obama, admitiu derrota: "nós brigamos uma briga boa, nós só não vencemos", afirmou.


+ NOTÍCIAS


Copyright © 2018 - Radio Cidade Jandaia LTDA